POLÍCIA CIVIL TEM NOVO DELEGADO GERAL.

01/02/2011 07:59

Joselito Bispo (E) ao lado do colega que irá sucedê-lo no comando da Polícia Civil

O delegado-geral da Polícia Civil, Joselito Bispo, foi substituído pelo delegado Hélio Jorge Paixão, que estava à frente da Superintendência de Telecomunicações da Secretaria da Segurança Pública (Stelecom/SSP-BA).

O anúncio foi feito nesta segunda-feira, 31, pela SSP, mas o novo chefe da Polícia Civil  será empossado no próxima sexta-feira. Agora, após a mudança do titular da pasta (Maurício Teles Barbosa no lugar de César Nunes) e com a saída de Bispo, resta a expectativa para saber se haverá mudança no comando da Polícia Militar (PM).

Também houve mudança no cargo de delegado-geral adjunto, segundo posto na hierarquia da Polícia Civil: a delegada Emília Blanco dá lugar ao delegado Bernardino Brito Filho, que estava na diretoria do Departamento de Polícia do Interior (Depin).

Quinze dias depois de assumir a secretaria, o delegado federal Maurício Teles Barbosa muda a chefia da Polícia Civil, mas não explicita os motivos. Segundo nota da assessoria de imprensa, “a ideia  é dar continuidade aos avanços já realizados e promover uma gestão eficiente”.

Três anos - Bispo ocupou o cargo por três anos, desde que César Nunes assumiu a SSP. Antes de ser nomeado, atuou na Academia de Polícia (Acadepol), foi diretor de departamento, delegado titular e plantonista, além de ter sido investigador,  quando ainda não era formado em direito.

Com 42 anos na Polícia Civil, Bispo disse que deixa o cargo “com a sensação do dever cumprido” e não acredita que os resultados ruins na combate aos crimes contra a vida tenham influenciado a saída dele: os assassinatos subiram 50,72% no Estado  entre 2006 e 2010.

Até junho do ano passado, o índice de elucidação de homicídios, responsabilidade específica da Polícia Civil, estava em 4,6%. Em 2009, o índice de assassinatos esclarecidos ficou abaixo de 15%, segundo dados oficiais.

Bispo disse acreditar numa redução dos níveis de assassinatos com os novos investimentos do governo, como a estruturação do departamento de homicídios e o implemento das Unidades de Polícia Pacificadora (UPPs). Ele avaliou a mudança no cargo como “normal” e elogiou o novo delegado-geral.

Silêncio - O novo delegado-geral não quis falar nesta segunda sobre os planos para o combate à criminalidade. A assessoria de comunicação informou, em nota, que a prioridade será a implantação do programa Pacto pela Vida e a melhoria das estruturas policiais.

Hélio Jorge Paixão chegou ao posto de delegado especial em 15 anos de carreira. Estava comandando as telecomunicações da SSP, mas já tinha atuado na Divisão de Proteção à Infância e à Adolescência, foi titular da Delegacia de Repressão a Furtos e Roubos de Veículos, coordenador-geral do Centro de Operações Especiais (COE), diretor de Polícia do Interior e diretor do Departamento Narcóticos.

 

www.teomaria.com