MARTAGÃO GESTEIRA PODE PARAR.

18/03/2011 01:14

O funcionamento do hospital, único  em atendimento exclusivamente pediátrico da capital, pode estar comprometido por problemas
financeiros da prefeitura de Salvador. Segundo divulgou em nota, o Hospital Martagão Gesteira alertou para o risco de paralisação do atendimento dos pacientes através do Sistema Único de Saúde (SUS). O motivo alegado pela direção do hospital seria o atraso no repasse de verba do Município, desde agosto de 2010, e que já alcança a quantia de R$ 2 milhões.
Segundo o hospital, os médicos decidiram parar as atividades em decorrência do atraso do pagamento. O atraso foi denunciado ao Ministério Público na última terça-feira (15).
A Secretaria Municipal de Saúde negou que haja atraso no pagamento do convênio com o hospital. Em nota, a secretaria informou que o pagamento foi realizado em janeiro e em fevereiro deste ano. Os valores complementares serão pagos ainda este mês, garante a secretaria.
O contrato entre hospital e prefeitura teria vencido em novembro do ano passado, mas teria sido prorrogado em caráter de emergência por se tratar de um serviço essencial, e que, portanto, não estava sujeito a negociação.

 

 
 
O funcionamento do hospital, único  em atendimento exclusivamente pediátrico da capital, pode estar comprometido por problemas
financeiros da prefeitura de Salvador. Segundo divulgou em nota, o Hospital Martagão Gesteira alertou para o risco de paralisação do atendimento dos pacientes através do Sistema Único de Saúde (SUS). O motivo alegado pela direção do hospital seria o atraso no repasse de verba do Município, desde agosto de 2010, e que já alcança a quantia de R$ 2 milhões.
Segundo o hospital, os médicos decidiram parar as atividades em decorrência do atraso do pagamento. O atraso foi denunciado ao Ministério Público na última terça-feira (15).
A Secretaria Municipal de Saúde negou que haja atraso no pagamento do convênio com o hospital. Em nota, a secretaria informou que o pagamento foi realizado em janeiro e em fevereiro deste ano. Os valores complementares serão pagos ainda este mês, garante a secretaria.
O contrato entre hospital e prefeitura teria vencido em novembro do ano passado, mas teria sido prorrogado em caráter de emergência por se tratar de um serviço essencial, e que, portanto, não estava sujeito a negociação.
 
salvadornoticias.com

www.teomaria.com