DEPUTADO DO DEM CHAMA MINISTRO DO SUPREMO DE MORENO ESCURO

23/03/2011 00:05

 

O ex-governador e deputado Júlio Campos (DEM-MT) divulgou nota no início da noite de hoje (22) pedindo desculpas ao ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Joaquim Barbosa. Mais cedo, em reunião do DEM, Júlio Campos referiu-se ao ministro como "moreno escuro".

Na nota, o deputado informou que fez contato com o gabinete do ministro e "pediu que sejam passadas desculpas ao magistrado por eventuais constrangimentos referentes ao que foi divulgado pela mídia, mas deixou bem claro que não houve o interesse em desprestigiá-lo".

 

"O deputado federal Júlio Campos (DEM-MT) vem esclarecer juntamente à imprensa que quando usou a expressão "ilustre ministro moreno escuro" em menção ao ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Joaquim Barbosa foi somente por não lembrar naquele momento o nome do magistrado.

De acordo com o deputado, não houve interesse de desmerecer o ministro na expressão. A fala do parlamentar foi feita na reunião de bancada do DEM ao falar sobre o Foro Privilegiado, uma das discussões concernentes à Reforma do Código Penal", disse a nota divulgada pela assessoria de Júlio Campos. O líder do DEM, deputado Antonio Carlos Magalhães Neto (BA), confirmou que a expressão usada por Campos não teve sentido "jocoso nem de preconceito".

Na reunião do DEM, Campos defendeu a prisão especial para autoridades, um dos pontos do Código Penal. "O parlamentar também se posicionou, na ocasião, contrário ao Foro Privilegiado por acreditar que ele é uma utopia, enquanto outros processos passam por quatro instâncias, o Foro Privilegiado passa somente por uma. No entanto, entende que deve ter direito à prisão especial autoridades civis, militares, eclesiásticas devidamente constituídas", afirmou a nota da assessoria do deputado. 
 

 

 

Em reunião da bancada do DEM na Câmara agora há pouco, o deputado Júlio Campos — que já foi governador e senador pelo Mato Grosso — defendeu com afinco a prisão especial para autoridades, um dos pontos polêmicos da reforma do Código Penal que deve ser votada hoje na Casa.

Campos criticou ainda os deputados que não protegem a própria categoria:

– Todo mundo sabe que essa história de foro privilegiado não dá em nada. O nosso amigo Ronaldo Cunha Lima precisou ter a coragem de renunciar ao cargo para não sair daqui algemado. E depois, meus amigos, você cai nas mãos daquele moreno escuro lá no Supremo, ai já viu.

Para quem não se lembra, Ronaldo Cunha Lima foi acusado de tentar matar o também ex-governador da Paraíba Tarcísio Burity. Lima renunciou ao mandato de deputado para não ser julgado em processo que corria no STF sob a relatoria do ministro Joaquim Barbosa.


www.teomaria.com